6 perguntas que toda estratégia deve responder

Atualizado: 24 de ago.



Uma das fases iniciais dos projetos que lidero para adoção dos OKRs é a fase de Estratégia e Planejamento pré-OKR. É nessa fase que definimos as bases que irão sustentar todo o processo de construção dos OKRs. Entretanto, é muito comum ver empresas que negligenciam esse processo e partem diretamente para a definição de Objetivos e KRs. O prejuízo consequente é ver OKRs que não traduzem uma estratégia ou que não se sustentam, seja porque a empresa não tem clareza do que ela faz e pra quem faz ou porque não tem estruturado o que deve ser feito para estimular seu crescimento.


Essa fase inicia com algumas entrevistas individuais com cada executivo. O objetivo é entender o contexto de cada área e avaliar qual a visão da estratégia de cada um. Posteriormente, as respostas são cruzadas para que em grupo seja construída uma versão única. É muito comum essa dinâmica surpreender os participantes com resultados e respostas completamente distintas. Isso demonstra o desalinhamento estratégico e reforça ainda mais a importância dessa fase.


Dentre as perguntas, 6 delas trato como perguntas primárias as quais toda estratégia deveria responder. O motivo se deve ao fato de que a ausência de respostas claras e únicas prejudica e até invalida a posterior construção dos OKRs.

Nesse artigo, apresento e comento essas 6 perguntas.


Pergunta 1: Porque existimos?

Qual nosso sonho grande e propósito de existir.


Essa pergunta é o cerne da estratégia. É ela que explicita a missão do negócio. O porquê do colaborador se levantar todos os dias e se dedicar para aquela empresa. Essa resposta pode ser inspiracional, mas deve ser diretiva, ou seja, indicar uma direção. É importante revisitar essa missão sempre que o grupo estiver com dificuldade de se posicionar sobre decisões estratégicas. Muitas respostas podem ser respondidas revisitando o porquê do negócio.


Pergunta 2: Qual o nosso Core Business (foco de atuação)?

No que somos especialistas e não abriremos mão de competir pela liderança.


Essa pergunta é relativamente fácil de ser respondida por algumas empresas, mas é extremamente difícil para outras. Quantas empresas investem milhões em marketing e propaganda e não sabem dizer o que fazem. Empresas que decidem fazer de tudo um pouco e não são especialistas em nada gerando uma confusão de identidade tanto nos colaboradores quanto nos clientes. Diversas são as marcas que são conhecidas pelo público (+90% awareness), mas possuem baixo desejo de uso, muito em virtude da falta de clareza do seu core business.


Pergunta 3: Qual a nossa Proposta de Valor?

O que fazemos melhor que a concorrência e que faz nossos clientes nos amarem.


Essa talvez seja a pergunta mais difícil de ser respondida, porque cada executivo tende a traduzir a resposta como aquilo que a sua área entrega de mais valor, ao invés de pensar de forma coletiva no que a empresa consegue entregar melhor que os concorrentes. Essa resposta é importante porque é a partir dela que se constrói a visão de produto.


Pergunta 4: Quais são nossos pilares estratégicos?

Para entregar a proposta de valor quais fatores são chaves de sucesso e que devemos fortalecer continuamente.


Essa pergunta ajuda a empresa a ter foco e a ter clareza sobre o que é chave para o sucesso do negócio e que sem isso a proposta de valor não será entregue. Esses pilares estratégicos, normalmente, estão relacionados a uma tecnologia específica, a um design inovador, a um atendimento extraordinário, ao menor preço praticado e a outras escolhas que ajudam a empresa a definir as suas frentes estratégicas. Essa priorização é importante para que os recursos sejam distribuídos e alocados de forma a reforçar essas escolhas.


Pergunta 5: Quem são nossos clientes (hoje)?

Que tipo de pessoa/empresa que iremos atender e resolver os seus problemas, nesse momento.


Saber quem são nossos clientes parece algo trivial, mas muitas empresas se perdem na hora de definir o público alvo, perfil de usuários, região de atuação e outras características que dão clareza a estratégia do negócio. Essa falta de clareza prejudica muito a definição dos OKRs e o posterior desenvolvimento dos produtos. Quanto mais clara for a descrição das personas, melhor será o endereçamento da solução.


Pergunta 6: Que cliente(s) não iremos atender (hoje)?

Que tipo de pessoa/empresa que NÃO iremos atender e resolver os seus problemas, nesse momento.


Tão importante quanto ter clareza sobre quem são os clientes alvo é deixar claro e explícito quem não será foco naquele momento. Muitos executivos, para evitar conflitos, não deixam claro quais perfis não irão atacar em dado momento, criando um ambiente subjetivo onde qualquer perfil é válido. Isso é péssimo para os times e para a construção dos OKRs. Fazer escolhas faz parte de uma boa estratégia.


Certamente, outras perguntas e análises são feitas nessa fase inicial de Estratégia e Planejamento Pré-OKR. Entretanto, essas 6 perguntas são o pontapé inicial para diversas discussões.


Pratique!

Experimente fazer essas perguntas dentro do seu grupo de trabalho e veja se há convergência nas respostas. Quanto maior a convergência, mais clara a estratégia está para todos e mais fácil será o processo de construção dos OKRs.


Gostou do conteúdo?

Curta, comente e compartilhe! 🚀

Leia mais artigos em mauricioboesche.com/okr-news


Precisando de ajuda para tornar a gestão da sua empresa mais ágil com os OKRs?

Entre em contato!

#okrs #estratégia #gestãoagil

10 visualizações0 comentário